Como uma boa parte dos brasileiros já sabe, todo ano, entre os meses de março e abril, a Receita Federal pede para que a população declare o tão temido imposto de renda. Temido porque as pessoas que nunca declararam, seja por causa da renda, ou porque nunca tinham investido, acreditam que é muito difícil. Mas acredite, não é. No post de hoje, eu te mostro como declarar investimentos no imposto de renda não é nenhum bicho de sete cabeças, bora aprender?

Perguntas que vou responder neste texto:

1. O que é declaração de imposto de renda?
2. Sou obrigado a declarar imposto todo ano?
3. Passo a passo: como declarar investimentos no imposto de renda?
3.1. Tesouro direto
3.2. Renda fixa privada
3.3. Ações
3.4. Fundos de investimento
3.5. ETF
3.6. Criptomoedas

Pega o caderninho para anotar as dicas, abre o site da Receita para se familiarizar com o espaço e leia o post até o final para estar preparado para declarar.

Preparar, apontar…. já! 

1. O que é declaração de imposto de renda?

É importante deixar claro que Declaração de Imposto de Renda é diferente de pagamento do imposto de renda. A declaração do IR é feita uma vez ao ano, enquanto o pagamento do mesmo é realizado toda vez que você vender um ativo e tiver lucro com a sua aplicação. Ok?

A Declaração de Imposto de Renda é a ferramenta que a Receita encontrou para ter um controle sobre movimentações. E como o próprio nome já indica, poder cobrar os devidos impostos em cima da renda de cada um.

Quando você declara suas transações, o governo está ciente sobre o dinheiro que está circulando no país. Caso você não declare corretamente, pode cair no que chamamos de malha fina.

A malha fina é o processo que a Receita Federal faz para encontrar erros, peneirando  informações que foram fornecidas nas declarações.

O sistema cruza essas informações com vários bancos de dados e, caso apareça algo irregular, a pessoa precisará entrar em contato com a Receita.

As consequências para quem tenta omitir algo na declaração são, principalmente:

  • bloqueio da restituição
  • CPF bloqueado

Por isso, é importante que você preste muita atenção ao preencher os dados em cada etapa. Não vai vacilar, hein!

Para facilitar o processo, separe todos os documentos necessários para preencher a declaração. Assim, você não entrará em desespero e conseguirá fazer tudo mais tranquilo(a).

Informação importante: até o último dia do prazo, você sempre poderá entrar no site para alterar as informações, caso tenha escrito algo errado. 

Mas até quando posso declarar?

Em 2020, o prazo começou no dia 2 de março e vai até o dia 30 de abril, se não acontecerem alterações por causa do coronavírus. 

2. Sou obrigado a declarar imposto todo ano?

Todo investidor é obrigado a declarar imposto de renda, independente da sua carteira. Ou seja, mesmo que só invista em renda fixa, pública ou privada, você precisa preencher a declaração.

Se você obteve ganhos de capital e realizou operações na Bolsa, também precisará prestar contas. É necessário que você faça isso todo ano, porque seu capital pode alterar e, caso isso não seja informado para a Receita, como citei acima, uma das consequências é a temida malha fina. 

Na Declaração, você sempre irá colocar quanto tinha de capital na data de início e qual era seu saldo na data final. Se começou a investir recentemente e não tinha nada na data inicial, coloque apenas R$ 0,00.

Exemplo:

Declaração de imposto de renda em 2020 (referente ao ano de 2019):
Saldo inicial (31/12/2018) = R$ 1.000,0
Saldo final (31/12/2019) = R$ 1.500,00

3. Passo a passo: como declarar investimentos no imposto de renda?

A primeira coisa que você precisa saber é que, desde 2014, a declaração é feita 100% online. Não é através de um site, mas, sim, de um programa que você precisa instalar em seu computador ou em seu celular (Android / iOS).

Então, vamos começar por aí. 

Passo 1: Entre no site da Receita e baixe o software. No computador, é necessário baixar o programa e o Java atualizado. No celular, você só precisa fazer o download do aplicativo. 

Observe que o aplicativo é bem simples e de fácil visualização. As categorias são todas separadas para que o usuário tenha maior facilidade em preencher.

Passo 2: Separe os documentos que serão solicitados na declaração: 

  • RG
  • CPF
  • Título de eleitor
  • Carteira de Trabalho (PIS;PASEP)
  • Extratos bancários
  • Comprovantes da mensalidade da faculdade
  • Comprovante das movimentações (investimentos que fez em 2019)
  • Informe de rendimento dos seus investimentos

Passo 3: comece a preencher =) 

3.1. Tesouro Direto

Uma boa parte dos investidores possui investimentos em títulos públicos, principalmente a reserva de emergência. Mesmo que não tenha ocorrido nenhum saque em 2019, é necessário declarar o valor investido em Tesouro Direto.

Antes de preencher a Declaração, tenha em mãos o informe de rendimentos que é disponibilizado pela sua corretora de valores. 

No programa, é só escolher a opção “Bens e Direitos” e, na página seguinte, escolha o código “45 – aplicações de renda fixa”. A partir disso, é só preencher com as informações do seu investimento.

Quer saber mais? Leia o post específico:

+ Como declarar Tesouro Direto no imposto de renda

3.2. Renda fixa privada

Como citei antes, é cobrado imposto de renda na maior parte dos investimentos de renda fixa, mas a cobrança é feita pela própria instituição financeira no vencimento do ativo. No entanto, o investidor sempre precisará declarar seus investimentos, mesmo que sejam isentos de impostos.

Antes de preencher a Declaração, tenha em mãos o informe de rendimentos que é disponibilizado pela sua corretora de valores. 

No programa, é só escolher a opção “Bens e Direitos” e, na página seguinte, escolha o código “45 – aplicações de renda fixa”. A partir disso, é só preencher com as informações do seu investimento.

Quer saber mais? Leia o post específico:

+ Como declarar renda fixa no imposto de renda

3.3. Ações

Investimento em ações tem uma grande vantagem: o IR só é cobrado em operações acima de R$ 20 mil por mês.

É necessário pagar a DARF sempre que forem realizadas operações de venda, mas somente se ultrapassar o valor de R$ 20 mil.

Mas, assim como em outros investimentos, aplicações na Bolsa também precisam ser computadas na declaração de imposto de renda. 

Antes de preencher a Declaração, tenha em mãos o informe de rendimentos que é disponibilizado pela sua corretora de valores. 

No programa, é só escolher a opção “Bens e Direitos” e, no código, digite o número 31, que corresponde a Ações. A partir disso, é só preencher com as informações do seu investimento.

Quer saber mais? Leia o post específico:

+ Como declarar ações no imposto de renda

3.4. Fundos de investimento

A tributação dos fundos de investimento é diferente de todas as outras. Existem duas maneiras de defini-las:

  • fundos de curto prazo: aqueles em que os ativos na carteira vencem em menos de 365 dias
  • fundos de longo prazo: aqueles em que os ativos vencem após 365 dias (a maioria dos fundos disponíveis no mercado)

O investidor paga o imposto de renda desses fundos em dois momentos: quando for resgatar e uma vez a cada seis meses.

Antes de preencher a Declaração, tenha em mãos o informe de rendimentos que é disponibilizado pelo administrador do fundo. 

Na opção “Rendimentos” do programa da Receita, selecione “Rendimentos de aplicações sujeitas à tributação exclusiva/definitiva”. A partir disso, é só preencher com as informações do seu investimento.

Quer saber mais? Leia o post específico:

+ Como declarar fundos no imposto de renda

3.5. ETFs

Assim como os títulos de renda fixa, os ETFs têm o imposto de renda retido na fonte, o que é uma mão na roda, já que você não precisará “perder tempo” com isso.

Importante lembrar: os ETFs (Exchange Traded Funds) não são isentos de imposto de renda – diferente das ações.

Antes de preencher a Declaração, tenha em mãos o informe de rendimentos que é disponibilizado pela sua corretora de valores. 

No programa, é só escolher a opção “Bens e Direitos” e, logo após digite o código 74, correspondente a “Fundos: ações, mútuos, emergentes, FIP, Índice”. A partir disso, é só preencher com as informações do seu investimento.

Quer saber mais? Leia o post específico:

+ Como declarar ETF no imposto de renda

3.6. Criptomoedas

Os investimentos em criptomoedas de até R$ 35 mil são isentos de imposto de renda. No entanto, isso não significa que o investidor não precise declarar! 

Para declarar, é necessário cadastrar as criptomoedas em duas abas diferentes: na opção “Bens e Direitos” (código “99 – outros bens e direitos) e na opção “Rendimentos de aplicações sujeitas à tributação exclusiva/definitiva”.

A partir disso, é só preencher com as informações do seu investimento.

Quer saber mais? Leia o post específico:

+ Como declarar criptomoedas no imposto de renda

Pronto! Agora você já sabe como declarar investimentos no imposto de renda e está preparado para fazer o seu.

Caso precise de alguma ajuda ou ainda tenha dúvidas sobre o assunto, manda aqui nos comentários ou lá no instagram @yubbinvestimentos. Vou adorar ajudar =)