Inicio Blog Página 21

Onde aplicar a reserva de emergência?

1
reserva de emergência

Todo mundo possui um kit de primeiros socorros em casa, certo? Curativo, xarope, comprimido, pomada… Se acontecer qualquer problema, é só correr para aquela caixinha de remédios! Mas e se acontecer uma emergência na sua vida e você não tiver o dinheiro? Para onde você vai correr? Para a sua reserva! Saiba o que é uma reserva de emergência onde investir.

A reserva de emergência é aquele suspiro de alívio. É aquele ponto de tranquilidade no meio das surpresas que acontecem na vida. Resumidamente, é um dinheiro que você vai ter guardado que só pode ser usado em caso de emergências.

Qual é esse valor? Depende de você! Há quem guarde o correspondente a seis salários. Há quem faça as contas de acordo com o custo de vida. Até têm aqueles mais prevenidos que guardam o correspondente a um ano de salário. Isso é você quem vai decidir!

“Eu não consigo guardar nem R$ 10,00, imagina seis salários!”. Sim, a gente sabe que não é fácil! Criar uma reserva de emergência do zero exige muita determinação e paciência.

Por exemplo, se você ganha R$ 4.000,00 por mês e decide criar uma reserva de seis salários, você vai precisar guardar R$ 24.000,00. Se você só consegue guardar R$ 600,00 por mês, você vai demorar 40 meses (maisa de três anos!) para finalizar a sua reserva. Isso pode parecer muito tempo e pode ser um processo trabalhoso, mas, no final, vale a pena.

O objetivo da reserva de emergência é trazer tranquilidade. Você precisa juntar essa quantia deixá-la quietinha, intocável! Caso aconteça alguma emergência, você pode ficar relaxado porque o seu dinheiro está ali guardado.

E quando a gente diz emergência, é emergência mesmo! Nada de gastar a sua reserva com compras, viagens e outras coisas supérfluas. O uso só está liberado no caso de você perder o emprego, incidentes familiares, problemas de saúde, conserto de carro, entre outros contratempos da vida.

Se você não tem esse dinheiro guardado, é aquele desespero! Ficou desempregado? Vai ter que correr atrás de outro emprego porque não pode ficar um mês sem renda. Precisou pagar uma emergência de saúde? Vai ter que pedir ajuda para amigos e familiares. E assim por diante. Muita gente acaba se afundando em dívidas por causa desses contratempos. Tudo isso por não estar preparado!

E o que fazer com todo esse dinheiro? Deixar na poupança? Não! Guardar embaixo do colchão? Também não! A reserva de emergência deve ser aplicada em investimentos que permitem o resgate a qualquer momento (ou seja, liquidez diária).

Sim, você deve investir a sua reserva de emergência! Se você vai deixar uma quantia guardada por muitos e muitos anos (a gente espera que você nunca precise usá-la hehe), nada melhor do que colocá-la em investimentos com uma boa rentabilidade para cada vez ter mais dinheiro.

Mas quais são esses investimentos? Neste post, a gente separou quatro opções muito boas para você aplicar a sua reserva. O melhor é que você não vai ter nenhuma dor de cabeça na hora de retirar o dinheiro! Teve um contratempo e vai precisar resgatar? Fique à vontade! Em um ou dois dias úteis, o dinheiro já estará na sua conta. Afinal, esse é o objetivo da reserva, né? Usar o dinheiro caso ocorra algum momento crítico em sua vida.

Quer saber onde aplicar a sua reserva de emergência? Veja as opções que a gente vai te mostrar pelo infográfico abaixo e confira mais detalhes no texto que vem depois 😉

1. Tesouro SELIC

Os títulos do Tesouro Direto (programa de investimentos do Tesouro Nacional) são uma ótima opção para quem quer aplicar o dinheiro da reserva de emergência. Eles possuem liquidez diária, ou seja, a qualquer momento você pode vender o seu título e, em um dia útil, o dinheiro estará na sua conta.

No entanto, a gente só vai falar do Tesouro SELIC, porque há uma pegadinha envolvendo a liquidez do Tesouro Direto. Os outros títulos do Tesouro (Tesouro IPCA+ e Tesouro Prefixado com ou sem juros semestrais) podem te trazer prejuízo caso queira resgatar o dinheiro antes do vencimento.

Como os valores de venda dos títulos e suas respectivas rentabilidades são atualizadas todos os dias, se você resolver tirar seu dinheiro antes do prazo, vai receber o correspondente ao dia de resgate. Ou seja, se o valor de venda for menor do que o valor que você tinha estabelecido, você perde dinheiro.

Por isso a melhor opção é o Tesouro SELIC: neste título, isso não acontece! Você vai sempre receber a rentabilidade pré definida no momento do investimento, independente de quanto resgatar o dinheiro.

O Tesouro SELIC é um investimento de renda fixa pós-fixado (indexado a um indicador). O seu rendimento está indexado à SELIC, ou seja, à taxa básica de juros. Isso significa que você vai receber a taxa definida + a variação da SELIC do período.

Resumindo: rende mais que a poupança, tem a segurança do Tesouro Nacional e é um ótimo destino para a sua reserva. Para saber mais sobre o Tesouro Direto e ver as opções disponíveis hoje, clique aqui.

2. CDBs com liquidez diária

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um investimento em renda fixa privada muito popular. Ele é emitido por bancos e você pode investir nos CDBs pelos próprios bancos ou por corretoras/distribuidoras.

Eles não possuem a garantia do Tesouro Nacional já que são privados e não públicos. Mas eles são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), ou seja, é um investimento extremamente seguro para deixar a sua reserva de emergência.

A liquidez do CDB pode ser diária ou no vencimento. Para aplicar a sua reserva, você precisa escolher um título com liquidez diária. Dessa forma, você poderá resgatar o seu dinheiro quando quiser. Como a sua taxa de rentabilidade é definida logo no momento do investimento, você sempre vai receber o correspondente ao período investido, mesmo resgatando antes do prazo final.

Para saber mais sobre CDBs e ver as opções disponíveis hoje, clique aqui.

3. Robôs de investimento

Os robôs de investimento são empresas que fazem o trabalho de gestoras de investimento. Ao investir por essas empresas, o seu dinheiro será alocado em diferentes ativos para montar um portfólio completo com uma boa rentabilidade.

O interessante é que a maioria desses robôs oferece liquidez diária e você pode retirar a quantia que quiser a qualquer momento. Mas vale ficar atento: o risco de investir em robôs é muito maior do que investir no Tesouro SELIC ou em CDBs. Se estiver procurando uma rentabilidade maior, pode ser uma boa opção para deixar a sua reserva.

Para saber mais sobre robôs e ver as opções disponíveis hoje, clique aqui.

4. Fundos de investimento com liquidez diária

Por último, existem os fundos de investimento com liquidez diária. Os fundos são um tipo de investimento muito popular e alguns oferecem a possibilidade de resgatar o dinheiro quando o investidor (nesse caso, chamado de cotista) quiser.

Assim como os robôs, os fundos também são bem mais arriscados que o Tesouro SELIC e os CDBs. Para aplicar a reserva de emergência, as melhores opções são os fundos DI, fundos de renda fixa e/ou fundos de inflação. Nesse três, o seu dinheiro será investido em ativos mais conservadores e isso é importante no caso da reserva de emergência. Só fique de olho na taxa de administração para não pagar uma taxa muito alta!

Para saber mais sobre fundos e ver as opções disponíveis hoje, clique aqui.

 

E aí, onde você vai investir a sua reserva de emergência? Deixe seu comentário aqui embaixo 😉

Quem é a Comissão de Valores Mobiliários (CVM)?

0
quem é a CVM?

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é uma das organizações mais importantes do sistema financeiro brasileiro. A maioria das pessoas sabem que a sua função é fiscalizar as instituições, mas ela realiza muitas outras atividades.

A CVM foi criada em 1976 após uma grande crise que aconteceu na bolsa de valores em em 1971. Nessa crise, muitas famílias perderam o dinheiro nessas aplicações e, com o intuito de proteger o investidor, o governo decidiu criar uma Comissão brasileira.

O grande objetivo era fiscalizar as instituições financeiras e até mesmo puni-las quando desrespeitarem alguma regra imposta. Até hoje, a CVM cumpre essa função e, além de proteger o investidor, também impulsiona a disseminação da educação financeira no país.

Não são todos os investimentos que são regulados pela Comissão. Valores Mobiliários é uma definição instrumental que serve para delimitar a área da atuação da CVM. No início, apenas ações e debêntures eram consideradas Valores Mobiliários, mas, hoje, a atuação da organização já está em derivativos, ações, debêntures, fundos de investimento e contratos coletivos como crowdfunding.

Para a #SemanaENEF2018, o Yubb esteve na instituição com José Alexandre Vasco, superintendente de proteção ao investidor, e gravamos o papo para você. Somos o primeiro canal de YouTube que entrou no prédio da CVM! Confira o resultado:

Gostou do conteúdo? Inscreva-se no canal do Yubb, compartilhe o vídeo com os seus amigos e também ative as notificações para não perder nenhum vídeo novo.

Spoiler: teremos mais dois vídeos super interessantes com a Comissão de Valores Mobiliários. Fique ligado para não perder nada!

Entendeu as funções da CVM? Se tiver alguma dúvida ou comentário, é só deixar aqui embaixo =)

Quer investir em fundos? Saiba os 5 indicadores que vale a pena analisar

0
5 fatores para analisar em um fundo de investimento

No mundo dos fundos de investimentos é possível encontrar mais de 25 mil opções para investir.Já imaginou se isso estivesse em um grande livro e você tivesse que olhar página por página para escolher o fundo de investimento que iria investir?

Mas não se preocupe! Existem indicadores que têm como objetivo acompanhar a evolução dos fundos e podem auxiliar muito neste processo de escolha.

Por isso, veja agora os cinco indicadores mais importantes para você avaliar antes de investir em um fundo.

5 fatores para analisar em um fundo de investimento

1. Índice de sharpe

Este indicador avalia risco e retorno de um investimento. Criado por William Sharpe em 1994, ele avalia se esta relação é vantajosa e atrativa para o investidor.

Ou seja, ele avalia se o risco para investir em um determinado fundo será compensado pelo retorno. Por isso, quanto maior for o valor do índice, mais vantajoso o fundo será.

Ele é considerado um dos índices mais fáceis de serem acompanhados. Mas lembre-se: na hora de escolher entre dois fundos, você deverá optar pelo que obtiver maior índice de sharpe.

Este indicador não possui um valor exato para identificar quando somente um fundo ou outro investimento vale a pena ou não investir.Em casos onde você busque avaliar um único fundo, será mais complicado. A dica é: priorize valores do índice de Sharpe acima de 0,5.

E, principalmente, fuja de fundo de investimento com índice de sharpe negativo, porque isso indica que o risco do fundo não é compensado pelo retorno que ele possui.

2. Volatilidade

Este é um termo utilizado para descrever oscilações do dia-a-dia nos rendimentos de investimentos.

Funciona como uma espécie de termômetro onde você pode identificar qual é o investimento mais adequado para você, de acordo com o seu perfil de investidor.

Por isso, em investimentos mais conservadores é muito comum encontrar volatilidade mais baixa, existem casos de até 2% ao ano.

Já em casos de investimentos mais arrojados ou com mais riscos, como por exemplo fundos de ações, podem superar com facilidade os 10% ao ano de volatilidade.

Diante disso, é muito importante uma avaliação prévia sobre o fundo de investimento que você investirá.

Contando com todo o histórico, é possível avaliar se este investimento passou por alguma alteração, quanto tempo se manteve de forma positiva e negativa, ou até mesmo se obteve resultados fora da curva.

Uma dica muito importante para que você possa identificar se aquele determinado fundo está de acordo com o seu perfil de risco, será acompanhar a volatilidade dele. Porque esta é a forma mais simplificada para que você possa observar o risco do fundo que deseja investir.

Após identificar sua volatilidade, poderá decidir se vale mesmo a pena ou não aplicar seu dinheiro nesta opção.

3. Rentabilidade relativa e absoluta

Entre a diversidade de fundos, existe uma particularidade em cada um deles, que se trata de qual será seu benchmark (o índice de referência que ele irá acompanhar ou superar) utilizado, e os mais comuns nestes casos são Ibovespa (para investimentos de renda variável) e CDI (para investimentos de renda fixa).

No caso deste tópico, a rentabilidade absoluta indica quanto seu dinheiro variou em um determinado período de tempo. Se o seu ganho for de 5% a mais naquele período, por exemplo, este será o valor considerado.

Já a rentabilidade relativa acompanha sempre a variação de uma taxa. Ou seja, seu rendimento estará atrelado ao que foi proposto pelo seu benchmark naquele período, seja ele o CDI, Ibovespa, ou outros indicadores.

Uma dica importante é analisar este índice das duas formas, mas principalmente através da rentabilidade relativa. Somente assim saberá se realmente obteve ganhos com aquele determinado fundo.

Afinal, não vale a pena você ganhar 10% em um determinado ano se o benchmark do seu fundo de investimento tiver se valorizado 20%. Nesse caso teria sido melhor aplicar no próprio benchmark (como no Ibovespa, por exemplo).

Também é muito importante que você conheça bem os benchmarks e saiba o que é CDI, Ibovespa, entre outros.

4. Drawdown

Um gráfico importante que deve ser avaliado em uma lâmina de fundos é o chamado Drawdown.

O objetivo dele é apresentar os prejuízos que aquele determinado fundo teve e quanto tempo levou para se recuperar.

É importante entender que os fundos podem ter quedas em um curto prazo, mas não devem levar muito tempo para se recuperar.

Alguns investidores, que buscam retornos a curto prazo, acabam não aguardando este período até seus rendimentos se recuperarem.

Em muitos casos, ao iniciar os investimentos em um fundo de investimento, a questão da existência de riscos é desconsiderada.

Até porque ninguém espera que o fundo irá cair justamente quando fizer as primeiras aplicações.

Mas devemos contar com a inconstância dos investimentos também. Por isso é necessário sempre acompanhar este tipo de gráfico, que detecta onde o fundo obteve prejuízo e queda, para que assim seja mais fácil identificar se é vantajoso ou não.

5. Patrimônio do fundo X Valor aplicado

Durante sua pesquisa sobre os fundos de investimentos, será de grande importância avaliar quanto o fundo ganhou nos últimos tempos.

Para isso, existe este indicador: onde patrimônio do fundo representa quanto ele está valendo naquele determinado dia ou período. E valor aplicado refere-se ao dinheiro que as pessoas aplicaram nele.   

Se, por exemplo, você investir R$ 150,00 no fundo de investimento e no período que avaliar ele estiver valendo R$ 200,00 de patrimônio, significa que o seu ganho foi de R$ 50,00 desde quando iniciou a aplicação.

Por isso, para identificar bons fundos, é interessante acompanhar sempre as opções que possuem patrimônios maiores do que o saldo das aplicações.

Isso quer dizer que este fundo produziu valor aos seus clientes e é uma boa opção para investir.

Conclusão:

Analisando esses cinco indicadores, será possível identificar os melhores fundos para você.Após analisar os rendimentos, riscos, oscilações da rentabilidade e quedas dos fundos em que deseja aplicar, poderá saber se vale a pena ou não realmente investir.Para facilitar o seu trabalho, existe uma plataforma onde é possível visualizar as características e propriedades das diferentes opções do mercado e que pode te auxiliar neste processo de escolha dos melhores fundos de investimentos.

Por isso aproveite todas as dicas desta lista, invista nas melhores opções e vantagens para você.

 

Ficou com alguma dúvida sobre como escolher um fundo de investimento? Deixe nos comentários abaixo.

Mais Retorno

Mais Retorno é uma fintech que tem como objetivo informar, ensinar e desmistificar o mundo dos investimentos e finanças pessoais para investidores de todos os níveis, com isenção e uma linguagem divertida, interessante, prática e acessível.

As opiniões expostas neste artigo são baseadas na visão do autor e não necessariamente refletem o entendimento do Yubb.

Vale a pena investir pela corretora Guide Investimentos?

0

Entre as diversas corretoras que existem no Brasil, está a Guide Investimentos. É uma instituição financeira muito tradicional com mais de 50 anos de existência e mais de 50 mil clientes. Como será que funciona o processo de abertura de conta?

Nos dias de hoje, abrir conta em uma corretora é algo muito simples e que pode ser feito totalmente online por plataformas intuitivas e que exigem poucos documentos. A Guide Investimentos possui uma plataforma dessa!

Será que o processo é rápido? Ou será que é trabalhoso? É preciso enviar diversos documentos ou com alguns cliques a conta já está aberta? No #YubbResenha, testamos essa funcionalidade em bancos e corretoras.

Agora chegou a hora de Guide! Abrimos conta em uma das mais importantes corretoras do país e cronometramos para você. Corre para assistir:

O que achou do conteúdo? Inscreva-se no canal do Yubb e ative as notificações do YouTube para não perder nenhum vídeo!

 

Gostou da Guide investimentos? Vai investir por lá? Deixe as suas dúvidas e opiniões aqui embaixo na área dos comentários =)

Onde investir de acordo com o seu perfil de risco?

3
Qual é o seu perfil de risco?

Qual é o seu perfil de risco na hora de investir? Essa é uma pergunta muito importante se você pretende ganhar dinheiro com aplicações financeiras. Afinal, não adianta colocar o dinheiro em investimentos que não têm nada a ver com você, certo? Neste post, a gente vai te ajudar a definir isso!

Muitas frustrações poderiam ser evitadas se todos soubessem exatamente qual é o seu perfil-investidor. Na hora de escolher uma aplicação, não adianta nada olhar somente a rentabilidade. Diversos fatores precisam ser analisados (temos um texto bem legal sobre isso!) e, acima de tudo, você precisa saber qual é o seu perfil de risco.

No mundo dos investimentos, o individualismo é muito importante. Ninguém é igual a ninguém e o que deu certo para um pode não dar certo para o outro. Conversar com amigos e familiares é super bacana, mas seguir os conselhos à risca não é uma boa ideia. Os perfis das pessoas são diferentes e cada caso é um caso. Por isso, é essencial saber a SUA história, os SEUS objetivos, o SEU bolso e o SEU perfil.

A partir do momento da descoberta sobre quem é você como investidor, é muito mais simples ver o cardápio de investimentos disponíveis e escolher a melhor opção.

Não dá para generalizar, mas os investidores são divididos em três grupos: conservadores, moderados e arrojados. A gente vai te mostrar quem são essas pessoas e quais investimentos são adequados para cada perfil de risco. No final, um bônus sobre diversificação de portfólio 😉 Vamos lá!

Qual é o seu perfil de risco?

1. Conservador

O primeiro na lista de perfis é o conservador. Para ele, a prioridade é sempre conservar o poder de compra do seu dinheiro, ou seja, ficar sempre acima da inflação. Esse investidor aceita receber menos rendimento se isso significar que o seu dinheiro está seguro.

No geral, os conservadores são pessoas que estão começando a investir ou que têm objetivos financeiros no curto ou médio prazo (afinal, não dá para perder um dinheiro que você vai precisar dali a alguns meses, né?).

Como saber se eu sou conservador?

  • Você fica desesperado só de pensar em perder dinheiro?
  • Tem aversão a risco?
  • Está começando a investir agora?
  • Checa a sua conta bancária todos os dias?
  • Não está familiarizado com diferentes investimentos?
  • Está investindo para o curto ou médio prazo?
  • Fica aflito se a rentabilidade da aplicação caiu?

Se você respondeu SIM para uma, duas ou todas essas perguntas, você é um investidor conservador!

Opções de investimento para o investidor conservador:

  • Tesouro Direto
  • Fundos de renda fixa
  • Fundos DI
  • Renda fixa privada garantida pelo FGC:
    • CDB (Certificados de Depósito Bancário)
    • LCI/LCA (Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio)
    • RDB (Recibos de Depósito Bancário)
    • LC (Letras de Câmbio)

2. Moderado

Aqui é o investidor que está “em cima do muro”, mas não no sentido negativo, ok? Sem ressentimentos (hehe)! Essa pessoa não é tão conservadora, mas também não é 100% arrojada. Entende que os riscos são necessários para ter uma rentabilidade maior, mas não gosta de assumir tanto assim.

Esse investidor gosta de diversificar bem os seus investimentos, ou seja, uma parte vai para renda fixa e fundos conservadores, enquanto outra parte vai para renda variável e fundos mais arriscados.

Normalmente, são pessoas que já investem há um tempo, mas não se sentem confortáveis de arriscar muito. Podem ser investidores que possuem objetivos financeiros no curto prazo, mas também outros no longo prazo e, por isso, diversificam. Assim, a principal palavra seguida pelo investidor moderado é “diversificar”!

Como saber se eu sou moderado?

  • Você aceitaria um pouco de risco para ganhar mais?
  • Começou a investir há um tempo, mas não se sente tão seguro?
  • Gosta de diversificar seu portfólio de investimentos?
  • Não se desespera quando a rentabilidade cai, mas fica de olho?
  • Gostaria de entender mais sobre risco, assim, conseguir usá-lo a seu favor e ter mais rendimentos?
  • Têm objetivos de curto, médio e longo prazo?

Se você respondeu SIM para uma, duas ou todas essas perguntas, você é um investidor moderado!

Opções de investimento para o investidor moderado:

  • Investimentos conservadores (que a gente citou no item #1)
  • Fundos multimercados
  • Debêntures
  • Fundos de ações

3. Arrojado/agressivo

O investidor arrojado também pode ser agressivo e ele tem muito apetite para risco! A prioridade dessa pessoa é a rentabilidade “a qualquer custo”. Ou seja, mesmo se ela perder dinheiro, vai entender que isso é a volatilidade do mercado e que, no futuro, pode ganhar bem mais.

Geralmente, o arrojado é um investidor experiente que entende as oscilações do mercado e usa isso a seu favor para ganhar ainda mais dinheiro. Como ele prioriza rentabilidade e retorno, não se importa em investir em ativos sem nenhuma garantia já que a rentabilidade é o seu foco.

Como saber se eu sou arrojado?

  • Prioriza a rentabilidade acima de tudo?
  • Tem apetite para o risco?
  • Entende que, nos investimentos, é normal a rentabilidade cair?
  • É um investidor experiente?
  • Usa o risco a seu favor para ganhar mais?
  • Já perdeu dinheiro alguma vez e não se desesperou?

Se você respondeu SIM para uma, duas ou todas essas perguntas, você é um investidor arrojado!

Opções de investimento para o investidor arrojado:

  • Ações da bolsa de valores
  • Fundos multimercados
  • Derivativos
  • Debêntures
  • COE
  • Criptomoedas

 

Vale dizer que ser conservador, arrojado ou moderado não te define como melhor ou pior. É interessante entender os “níveis” de investimento e não tem problema nenhum ser conservador a vida toda, por exemplo! Como também não tem problema começar a investir e logo se tornar agressivo.

O importante é entender que esses rótulos são necessários na hora de entender se aquele investimento “serve” para você. Mas também é muito importante saber diversificar a carteira para ter diferentes tipos de aplicação e, no final, ter a melhor rentabilidade para o seu perfil de risco.

 

Já descobriu qual é o seu perfil de risco? Onde você investe (ou vai investir) o seu dinheiro? Deixe aqui embaixo nos comentários!

Como investir em fundo imobiliário?

0
fundo imobiliário é um bom negócio?

O brasileiro adora investir em imóveis! Apartamento, casa, sítio, chácara, fazenda… Esse é um tipo de investimento muito comum no país. Mas nem todo mundo tem dinheiro para comprar um imóvel, certo? Por isso é interessante conhecer o fundo imobiliário.

Os fundos de investimento imobiliários, também chamados de FIIs, são condomínios de investidores em que o gestor do fundo vai alocar o dinheiro dos cotistas em investimentos imobiliários. Além de imóveis, o dinheiro também pode ir para papéis de renda fixa como CRI e LCI.

Ao invés de comprar diretamente um imóvel, você compra uma cota de um fundo que vai aplicar em diferentes imóveis (desde apartamentos residenciais até agências bancárias). O rendimento da aplicação vem dos valores cobrados dos aluguéis desses empreendimentos.

O FII é indicado para quem já tem dinheiro aplicado em renda fixa, mas quer entrar no mundo da renda variável e arriscar um pouco mais. O bacana é que dá para qualquer pessoa investir em um fundo imobiliário já que existem cotas a partir de R$ 100,00.

A gente esteve com o Prof. Arthur Vieira de Moraes, especialista em FIIs, para falar sobre isso. Quer investir em imóveis com pouco dinheiro? Dá o play e saiba como!

Gostou do vídeo? Para não perder nada, inscreva-se no canal do Yubb e ative as notificações do YouTube.

 

Entendeu o que é um fundo imobiliário? Se tiver qualquer dúvida ou comentário, é só deixar aqui embaixo =)

Quanto tempo leva para abrir conta na Órama?

0
abrir conta na Órama investimentos

Você conhece a Órama Investimentos? É uma distribuidora muito conhecida no Brasil e que oferece diferentes investimentos em renda fixa e variável. O seu processo de abertura de conta é totalmente online, mas será que é rápido?

Uma distribuidora é praticamente a mesma coisa que uma corretora. A função delas é distribuir aplicações financeiras para quem quiser investir e ganhar mais. Para entender melhor essa “diferença” entre corretora e distribuidora, é só clicar aqui.

A Órama fica localizada no Rio de Janeiro (RJ) e é uma das maiores e mais conhecidas instituições financeiras do país. Como será que é o seu funcionamento? É rápido investir pela Órama? Quanto tempo demora?

O Yubb também queria saber isso então o #YubbResenha de hoje é com a Órama Investimentos. Dá o play e descobre se vale a pena investir por lá =)

Gostou do conteúdo? Então não esqueça de se inscrever no canal do Yubb e ativar as notificações do YouTube para não perder nada!

Se quiser saber mais ainda sobre essa distribuidora, assista o nosso #YubbVisita Órama investimentos.

 

O que achou do processo da Órama investimentos? Deixe as suas dúvidas, opiniões e/ou comentários aqui embaixo =)

Banco Neon quebrou? E agora?

0
Banco Neon quebrou?

Hoje, dia 04/05, o Banco Central decretou a liquidação extrajudicial do Banco Neon S.A.. O que isso significa? O Banco Neon quebrou? E agora?

Leia um trecho da nota do Banco Central:  “O Banco Central do Brasil decretou nesta sexta-feira, 4/5/2018, a liquidação extrajudicial do Banco Neon S.A., entidade com sede em Belo Horizonte. A supervisão do Banco Central do Brasil constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição.” Para ler o texto completo, clique aqui.

Depois de saber sobre essa notícia, a gente entrou AO VIVO no YouTube em um #PlantãoDoYubb para falar sobre o assunto. Dá o play no vídeo:

Gostou do conteúdo? Para não perder nada, inscreva-se no canal do Yubb e ative as notificações do YouTube. Se tiver qualquer dúvida, é só deixar o seu comentário aqui embaixo 😉

10 hábitos que você precisa ter para economizar mais

0

Fim do mês é sempre aquele desespero: salário acabando, dívidas chegando, cartão de crédito em ação. Muitos brasileiros sofrem com o aperto financeiro e não sabem como economizar dinheiro. É claro que não é uma tarefa fácil, mas hoje nós vamos te dar 10 dicas para terminar o mês mais tranquilo.

Aqui no Yubb a gente fala muito sobre investimentos. Algumas pessoas conseguem se organizar para investir todos os meses, outras conseguem só em alguns meses do ano e têm aqueles que nunca investiram porque não sabem como economizar dinheiro.

Não sabe como economizar? O post de hoje vai listar 10 hábitos que você precisa ter para guardar mais dinheiro. Mesmo se você já tiver uma organização financeira, a gente reuniu dicas práticas para aplicar em seu cotidiano que vão fazer sobrar ainda mais.

Dá uma olhada no infográfico abaixo e continue lendo o texto =)

saiba como economizar

1. Pensar antes de comprar

É muito difícil lidar com o consumismo. Passeando pelo shopping ou pelo supermercado, é complicado olhar os produtos e não sentir vontade de comprar nada. É importante saber que fazer compras é natural e que comprar o essencial precisa fazer parte do dia a dia. O perigo está no desejo de consumir coisas supérfluas!

É necessário sempre pensar muito bem antes de fazer uma compra. Você realmente precisa daquele produto? Ele vai fazer a diferença na sua vida? O preço está bom? Só depois de responder essas perguntas você deve comprar aquele item.

Uma dica muito boa é: saia da loja sem comprar o produto. Pense durante um ou dois dias na sua casa. Se, mesmo depois de tanto tempo, você ainda quiser fazer aquela compra, vá em frente. Se você não sabe como economizar, essa é uma boa tática para fugir das compras por impulso!

2. Saber dizer não

Quando alguém te chama para ir a uma festa ou a um restaurante, qual é a sua resposta? Diz sim imediatamente ou pensa como está a sua vida financeira? Algumas pessoas se sentem tentadas a aceitar todos os convites de amigos e familiares e isso pode ser um dinheiro muito mal gasto.

Ao receber um convite para ir ao shopping fazer compras, ir em um mercado caro, jantar em um restaurante, sair para a balada com os amigos, tomar café em uma padaria e etc, o que acha de pensar melhor antes de aceitar? Saber dizer NÃO pode ser uma ótima estratégia para economizar dinheiro.

3. Anotar as despesas

Essa dica pode parecer clichê, mas é extremamente eficaz: anote os seus gastos. Não dá para economizar dinheiro se você nem sabe para onde o seu dinheiro está indo. O primeiro passo é organizar quanto você ganha (receitas) e quanto você gasta (despesas). Anote tudo! Desde o cafezinho que tomou na padaria da esquina até a televisão que comprou à vista.

No começo, pode parecer uma dor de cabeça sair anotando tudo, mas é uma questão de hábito. Depois de fazer isso por dois ou três meses, fica mais simples! Quando você olhar as suas anotações (sejam físicas ou digitais), saberá exatamente para onde vai a sua renda. A partir disso, pode analisar quais gastos são supérfluos e onde dá para economizar dinheiro.

4. Usar cupons de desconto e programas de fidelidade

A maioria das pessoas fica muito feliz ao ver uma promoção ou ao descobrir que o item que está precisando está com desconto. Mas o que poucas pessoas fazem é ir atrás desses descontos! Utilizar cupons de desconto e participar de programas de fidelidade podem te fazer economizar um bom dinheiro.

Na hora de sair, que tal procurar cupons para algum restaurante? Ou se inscrever no programa de fidelidade do cartão de crédito para conseguir milhas para uma viagem de avião? Procure as melhores oportunidades que se encaixam nas suas necessidades.

O legal é que hoje dá para fazer tudo digitalmente! Empresas como Dotz, Groupon, Cuponeria e Meliuz podem te ajudar a conseguir alguns descontos e fazer o seu dinheiro render bem mais.

5. Evitar parcelamentos

“É caro, mas dá para parcelar em 10 vezes”. Que atire a primeira pedra quem nunca disse essa frase ou alguma parecida! O brasileiro tem o hábito de parcelar as suas compras e o “à vista” sempre preocupa quem tem uma vida financeira conturbada. Mas, na verdade, deveria ser o contrário.

Quando você parcela uma compra, você precisa se planejar para sempre ter o dinheiro daquela parcela. O problema é que muitas pessoas não sabem como economizar e não fazem essa planejamento! Isso pode acumular uma grande dívida no cartão de crédito. Se quiser comprar algo, a melhor opção é guardar dinheiro e comprar de uma vez só. Em muitos casos, você pode até conseguir um desconto de 5% ou 10% nas compras à vista.

6. Comparar os preços

Quando você quer investir, você usa o Yubb para comparar os melhores investimentos. Na hora de fazer uma compra, que tal usar o Buscapé, Trivago, Decolar ou até mesmo visitar diferentes lojas para fazer uma pesquisa de preços?

Quando a compra é de um valor alto, normalmente esse hábito é mais comum, mas a dica aqui é fazer isso com todo o tipo de compra. Na hora de fazer as compras do mês (ou da semana) no supermercado, a preguiça fala mais alto e você vai no mercado mais próximo

7. Usar menos o carro

Quem dirige sabe que carro traz muitos gastos. Ao invés de ir para o trabalho de carro todos os dias, por que não reveza com transporte público? Andar de ônibus e metrô é muito mais barato do que andar de carro. Se o seu trabalho é perto de casa, que tal ir a pé ou de bicicleta? Mesmo se não der para fazer isso todos os dias da semana, aproveite quando der.

Outra dica boa é prestar atenção nos gastos com estacionamento. Antes de ir para um lugar em que você teria que pagar o estacionamento, dê uma olhada em como estão os preços da viagem em aplicativos de transporte privado. Dependendo do preço do estacionamento + gasolina, vale mais a pena pagar um taxista um ou motorista. Para quem não sabe como economizar, é uma dica que vai fazer a diferença.

8. Levar comida de casa

Essa dica é comum na vida de muitos brasileiros, mas ainda existem muitos que gostam de comer fora. Levar a sua própria marmita para o trabalho pode reduzir (muito!) os seus gastos mensais. Algumas pessoas preferem sair do escritório, passear, comer em um bom restaurante, mas isso pode ficar bem caro no final do mês.

Em São Paulo, é super difícil almoçar por menos de R$ 20,00. Se você trabalha 20 dias por mês, são R$ 400. Fazendo a sua comida em casa e levando para o trabalho, você consegue economizar bem mais que a metade desse valor!

9. Falar sobre dinheiro

Dinheiro não é problema, é solução! Se você é daqueles que vê dinheiro como um tabu, pode ter certeza que está um passo mais longe de uma vida financeira tranquila e bem sucedida. É muito importante falar sobre o assunto para perder medos e adquirir conhecimento.

Ao trocar experiência com outras pessoas (e transmitir sua experiência para sua família), é muito mais fácil economizar dinheiro todo mês. Com conhecimento, você se sente mais à vontade para cuidar do dinheiro.

10. Investir todo mês

“Ué, mas eu vou economizar para investir, certo? O que sobrar no final do mês, eu invisto”. Então, a verdade é que esse não é o cenário ideal! O mundo perfeito é aquele em que, antes de você ter todos os seus gastos mensais, já separe uma porcentagem para investimentos. Não precisa ser nenhum valor alto, ok? Dá para investir com a partir de R$ 1,00!

Ou seja, antes de sair pagando os boletos do mês, guarde um dinheirinho para as suas aplicações. E se sobrar mais no final do mês, invista de novo! Quando você começar a ganhar mais dinheiro com os rendimentos, vai se sentir ainda mais motivado para economizar e continuar investindo.

 

E aí, entendeu como economizar dinheiro? Vai inserir esses hábitos no seu cotidiano? Deixe aqui embaixo nos comentários =)

Qual é o melhor robô de investimento?

0
qual é o melhor robô de investimento?

Magnetis, Monetus, Vérios e Warren. Em ordem alfabética, esses são os quatro maiores e melhores robo-advisors que existem no Brasil. Investir seu dinheiro com robôs está na moda, mas fica sempre a dúvida: qual é o melhor robô de investimento?

Cada empresa tem as suas características. As taxas, o investimento mínimo, os ativos em que o dinheiro é aplicado… São diversos atributos que diferem de robô para robô e, por isso, muitas pessoas têm dificuldade de escolher um.

É importante saber que a função de um robô é facilitar a vida do investidor. Eles são fintechs que fazem o serviço de uma gestora de investimento. De acordo com o seu perfil e objetivo, o seu portfólio é montado para ter o máximo de rentabilidade.

Para saber mais sobre o assunto, nós temos um vídeo muito especial explicando qual é a função de um robô e um texto bem completo com mais informações.

Como já dissemos ali em cima, são quatro robôs que dominam o mercado brasileiro. Nós, do Yubb, estivemos com cada um deles e gravamos tudo para você. Depois de assistir o vídeo, você vai poder responder qual é o melhor robô de investimento. PLAY!

Gostou do vídeo? Para não perder nenhuma novidade, inscreva-se no canal do Yubb e ative as notificações do YouTube.

 

E aí, qual é o melhor robô de investimento? Vai aplicar o seu dinheiro com ele? Deixe a sua opinião aqui nos comentários =)