Investir. Tá aí uma palavra que não fazia parte do meu vocabulário até dois anos atrás. Começar a investir nunca foi meu foco, na verdade, nunca acreditei que eu seria capaz de fazer qualquer tipo de aplicação e de que isso poderia me trazer alguma rentabilidade.

Bem, como você deve imaginar, minha visão sobre isso mudou. Fiz meu primeiro investimento há um mês e, neste texto, vou te contar minha experiência, minhas inseguranças e o que me fez finalmente dar o primeiro passo.

Antes de eu começar a jogar uma enxurrada de informações aqui (todas que me ajudaram a começar a investir), deixa eu te contar quem sou eu.

Meu nome é Marlana Zanatta, tenho 23 anos e sou estagiária de conteúdo no Yubb. A maioria dos textos que você lê aqui no blog e posts lá do Instagram sou eu quem faço. Muito prazer!

A principal razão para eu começar a enxergar investimentos com outros olhos, foi por ter começado a trabalhar em um buscador de investimentos. No entanto, estou aqui há quatro meses, e minha jornada para entrar no mercado de ações começou há dois anos. 

Antes de fazer meu primeiro investimento, tive que moldar minha mente para acreditar que eu era capaz de fazer aquilo. E, como você viu, levei um tempo para conseguir fazer isso, pois sempre vi essa área, como algo inalcançável para alguém que tinha poucos recursos. 

Além disso, com apenas 21 anos eu já estava endividada. Isso mesmo, eu tinha acabado de atingir a maioridade e já tinha cometido o mesmo erro que 62 milhões de brasileiros: ter o nome negativado.

Sabe o que é pior? 25% desse pessoal tem entre 18 e 30 anos. Uma das razões para isso, é que, no Brasil, até pouco tempo atrás, não existia preocupação em ensinar a população como cuidar das suas finanças, realizar investimentos e pensar no longo prazo.

Graças à internet, essa realidade está mudando. E graças também à internet, minha visão de mundo está se transformando.

Eu acreditava que as pessoas que tinham como foco “fazer dinheiro”, nunca conseguiam adquiri-lo de forma lícita. Hoje, sei que esse pensamento é apenas uma consequência de vários fatores que moldaram a minha mente ao longo dos anos. 

Minha família nunca controlou as finanças, por consequência, nunca aprendi a forma certa de fazê-lo. Mas não culpo meus pais ou avós por isso, afinal, se você não tem informação disponível, como poderá aprender e passar para frente?

Além disso, morar em um país com os maiores índices de corrupção do mundo, afetou minha forma de julgamento em relação ao dinheiro. 

“Aquela pessoa é rica ou bem de vida? Provavelmente deve ter feito algo de errado para conseguir”. Infelizmente, era essa a visão que eu tinha, mas ela não surgiu do nada, hoje sei que muito do que ouvimos, absorvemos inconscientemente. 

Quando percebi que eu poderia começar a investir

Não me lembro ao certo o dia, sei que eu estava assistindo algum vídeo aleatório no Youtube, quando apareceu a recomendação de um vídeo do canal Me Poupe, da Nathalia Arcuri.

O tema era: como investir com salário de estagiário. Só pelo nome eu já fiquei curiosa, como assim um mero estagiário pode investir? Isso é possível? 

Naquele vídeo, aprendi que sim. Na verdade, aprendi que qualquer pessoa com R$ 30,00  na carteira pode fazer uma aplicação em um tipo de investimento chamado Tesouro Direto, que na época eu não fazia ideia do que se tratava.

Comecei a maratonar os vídeos e, em pouco tempo, eu já sabia o básico para investir em renda fixa. No entanto, não comecei. Ainda tinham alguns empecilhos que me impediam de dar o primeiro passo.

  1. Eu ainda não tinha aprendido a ter controle sobre meu dinheiro, ou seja, não sobrava um real do meu salário no final do mês (não que eu recebesse muito na época);
  2. Eu estava com o nome sujo.

Levei alguns meses, muitos vídeos e leitura, para entender que era possível sair da pindaíba em que eu estava. 

Mas como você chegou nessa situação?

Eu nunca tive muito controle dos meus gastos, mas as coisas pioraram quando vim para São Paulo (sou de Santa Catarina). Meu primeiro emprego aqui foi em uma loja de shopping, eu recebia bem e sobrava uma quantia considerável no final do mês, já que eu não tinha nenhuma família para sustentar.

Mas, na minha cabeça, ter dinheiro, significava poder gastar. E foi exatamente o que eu fiz. 

Em pouco tempo, eu já tinha 4 cartões de lojas e parcelas que comiam todo o meu salário. E o pior aconteceu: fui transferida para uma filial que não tinha muito movimento, consequentemente, comecei a ganhar bem menos.

Você já deve ter imaginado o resultado, não é? Me endividei até a unha do dedão do pé. E assim permaneci, cheia de dívidas, até o dia que entendi que eu poderia reverter a situação.

Como quitei minhas dívidas

Depois de assistir muitos vídeos no Youtube, descobri um site chamado Serasa Consumidor. Nele, você cria seu cadastro e pode acompanhar seu score, que é basicamente uma nota para sua vida financeira, esse score mostra para lojas e empresas quais são as chances de você pagar uma conta. E claro que, a minha nota estava MUITO baixa.

Dentro do Serasa Consumidor, tem uma ferramenta chamada Serasa Limpa Nome, através dele, é possível fazer um acordo com as empresas que você deve (se elas forem cadastradas no site), por um valor menor e assim, se livrar da dívida.

E foi dessa forma que quitei uma dívida de cada vez. O que mais me animava era acompanhar meu score crescendo. Levei, mais ou menos, oito meses para pagar tudo e posso dizer que a sensação de ter tirado aquele peso das minhas costas, foi incrível.

Como aprendi a ter controle sobre meu dinheiro

Essa lição, devo confessar, ainda estou em processo de aprendizagem. O que posso dizer é que, hoje não dou o passo maior que a perna.

Não parcelo mais nada e, assim que recebo meu salário, pago todas as contas, para não correr o risco de gastar um dinheiro que já tem um destino definido.

Comecei a anotar meus gastos recentemente e isso tem me ajudado muito. Colocar lado a lado, quanto recebo, quais são minhas despesas essenciais e de lazer, e quanto eu devo destinar para investir, foi uma forma que encontrei para começar a ter mais controle sobre o dinheiro.

Inclusive, meu primeiro texto pro blog do Yubb, foi sobre quanto do salário é ideal investir, e tem até até uma planilha bonitinha para ajudar.

LINK DA PLANILHA

Hoje, tenho duas fontes de renda, e claro que isso tem me ajudado a melhorar minha condição financeira. Antes eu não tinha noção disso, mas hoje sei que uma dessas fontes pode secar a qualquer momento, por isso comecei a fazer minha reserva de emergência (antes tarde do que nunca, não é?). 

Agora vamos para a pergunta principal:

Por que decidi começar a investir?

Depois de toda essa experiência catastrófica, mas de muito aprendizado, eu continuei buscando informação. Ainda assim, eu tinha receio. A frase “Você é a única pessoa que pode te impedir de ir pra frente”, nunca foi tão real na minha vida.

Por alguma razão, eu ainda não acreditava ser capaz. Até que entrei no Yubb. 

Estar constantemente cercada por informações sobre investimentos foi me dando a segurança que eu precisava para fazer minha primeira aplicação. 

Ler também me ajudou muito. Na verdade, estudar é um hábito essencial nessa jornada de independência financeira.

E hoje, como sou responsável por produzir conteúdo diariamente, consequentemente preciso estudar o tempo todo, mesmo que indiretamente.

Para qualquer post (seja no blog, Instagram, Twitter ou Facebook), preciso checar a informação pelo menos em três fontes diferentes (obrigada jornalismo por esse ensinamento). 

Isso, aos poucos, fez eu começar a acreditar, que investimentos, era sim algo pra mim, e não só pra mim, mas para todas as pessoas que sonham com a independência financeira, ou até mesmo aquelas que não sabem que precisam disso, porque nunca tiveram alguém que pudesse guiá-las.

E acredito que o Yubb, hoje muito mais que um buscador de investimentos, se tornou um guia. Trabalhar aqui, me ajudou de diversas formas.

Não só pelo conteúdo que preciso estudar para poder produzir, mas pelo conteúdo que a equipe toda produz. Os vídeos do Youtube, lives, e-mails, ferramentas do site, tudo é criado por um time que acredita que qualquer pessoa pode se tornar um investidor.

E se você chegou até aqui, deixa eu te contar uma coisa: você realmente pode!

Você pode ter uma boa condição financeira. Você pode ascender profissionalmente. Você pode absorver, aplicar e reproduzir conhecimento.

Escrevo isso, porque foram essas algumas das razões que me incentivaram a fazer meu primeiro investimento. Além de querer um futuro melhor.

Cada pessoa recebe e digere as informações de uma forma. Com isso quero dizer que, levei dois anos para começar a investir, mas você pode levar mais ou menos tempo para isso. E tá tudo bem, contanto que você se dedique e saiba que é capaz.

Eu fiz meu primeiro investimento em renda variável faz pouquíssimo tempo, levei anos para isso, muito estudo e uma luta constante contra a minha mente, mas eu tenho orgulho da minha jornada até aqui. Esse investimento foi um pequeno aporte, e um pequeno passo, perto de tudo que ainda está por vir.

Minha dica para você que quer começar a investir é: respeite seu tempo, mas também não o desperdice. Se você já chegou até aqui, e está motivado a começar a investir, comece a estudar o mercado financeiro a partir de agora. 

Alguns passos:

  1. Faça uma aplicação em renda fixa, tendo como foco sua reserva de emergência;
  2. Coloque todas suas despesas no papel (ou planilha, como preferir);
  3. Se puder, busque uma fonte de renda extra, para poder aumentar seus aportes;
  4. Estude, pelo menos, 30 minutos por dia;
  5. Repita todo dia: eu sou capaz!

Por fim, que esse ano seja de constante aprendizado e que possamos caminhar juntos, e aprender muito através do conteúdo do Yubb.

Obrigada por acreditar na gente, estamos aqui por você! =)