Rendimento bruto e rendimento líquido: entenda como essa diferença afeta seus investimentos

0
509
rendimento bruto ou líquido

Muitas pessoas têm dúvidas na hora de comparar o retorno dos investimentos, pois nem sempre é fácil saber qual é o rendimento bruto ou o rendimento líquido de determinada aplicação financeira.

Entender essa diferença é fundamental para escolher o investimento mais adequado para  seu perfil e seus objetivos financeiros.

Para resolver essa dúvida, vou explicar a seguir quais são os passos para identificar qual é a diferença entre o retorno bruto e líquido de determinado investimento.

Sabendo disso, fica mais fácil decidir qual produto financeiro é o mais interessante para você. Antes de continuar lendo o texto, veja o infográfico!

rendimento bruto ou líquido

O que é rendimento bruto e rendimento líquido?

O rendimento bruto de um investimento é o resultado de uma aplicação financeira sem nenhum tipo de desconto, nem de taxas, nem de impostos.

Já o rendimento líquido é esse mesmo resultado, descontando taxas ou impostos.

Para o investidor, é importante saber o que é cada tipo de rendimento por duas principais razões:

  1. Há formas diferentes de expressar a rentabilidade de uma aplicação financeira;
  2. Não é correto comparar o rendimento bruto de uma aplicação com rendimento líquido de outras.

O rendimento de uma aplicação financeira pode mudar dependendo das características do investimento ou do tempo que o dinheiro permaneceu investido, por causa das diferentes alíquotas do Imposto de Renda (IR). Além disso, os custos para investir também afetam a rentabilidade. Vamos ver um exemplo no tópico a seguir.

Escolhendo uma aplicação com base em seu rendimento

Imagine que você queria investir R$ 10 mil em um título de renda fixa para resgatar daqui a um ano e tenha as seguintes opções à sua disposição:

  • Um título do Tesouro Direto que promete rentabilidade próxima à da Selic;
  • Uma LCI que promete ganhos de 98% do CDI;
  • Um fundo de investimento em renda fixa cujo resultado acompanha o CDI e que possui taxa de administração de 1% ao ano.

Qual deles é o mais vantajoso? Guarde a sua resposta para o final deste post!

O primeiro item ao qual você deve prestar atenção, antes mesmo de calcular o resultado prometido, é que esses investimentos têm características diferentes:

  • Ao aplicar no Tesouro Direto, o investidor paga, obrigatoriamente, uma taxa de custódia de 0,3% ao ano sobre o valor de todo o dinheiro investido. Na taxa de administração, pode encontrar uma corretora que adote uma política de taxa zero. O Imposto de Renda incide no resgate desse investimento e varia conforme o prazo da aplicação;
  • Uma LCI é um título isento de IR, porém alguns bancos e corretoras podem cobrar taxas para aplicar o dinheiro do cliente nesse investimento;
  • Um fundo de investimento é tributado a cada seis meses por meio de um mecanismo conhecido como come-cotas. Se o tempo da aplicação for inferior a dois anos, o investidor ainda pode ter de pagar a diferença entre o IR já cobrado e o que ainda falta. Lembrando também do custo da taxa de administração.

Se você investe por meio de um banco, uma corretora, consultoria ou um robô de investimentos, já deve ter reparado que existe mais de uma forma de contabilizar os seus ganhos.

Geralmente, uma delas é o rendimento bruto de sua carteira, sem os descontos de taxas e impostos. A outra é o resultado líquido.

Em alguns casos, a rentabilidade que o investidor vê é líquida de taxas, porém bruta de impostos. Isso acontece no caso de aplicações cujo IR varia conforme o tempo em que o dinheiro fica aplicado, como o Tesouro Direto e os fundos de investimento.

Já no caso da LCI e outras aplicações isentas de IR, incluindo a poupança, o rendimento que o investidor vê é, naturalmente, líquido do imposto.

Na hora de comparar investimentos, é muito importante ter essa diferença em mente para evitar equívocos. Vamos ver como ficaram os cálculos para as aplicações mostradas acima?

Considerando uma taxa de juros de 7% ao ano, teremos os seguintes resultados após o período de um ano:

  • Tesouro Direto: rendimento bruto de R$ 700. Subtraindo IR de 17,5% e taxa de custódia, o rendimento líquido será de R$ 552,75;
  • LCI: rendimento líquido de R$ 685,53;
  • Fundo de investimento: rendimento bruto de R$ 700. Descontando IR de 17,5% e taxa de administração, o rendimento líquido será de R$ 495.

Percebeu a diferença?

É por isso que o conhecimento faz toda a diferença na hora de determinar qual é o melhor investimento.

Muitas vezes, uma aplicação pode parecer vantajosa à primeira vista. No entanto, seu resultado pode não ser exatamente o que o investidor projetou.

Por isso, além de todos esses fatores, também é importante lembrar que a rentabilidade de um investimento no futuro é prometida, e não garantida. Se a taxa de juros cair ou subir, por exemplo, todos os cálculos acima mudam.

O assunto não acaba por aqui! A diferença entre o rendimento bruto e o rendimento líquido de aplicações em renda variável, como ações e ETFs, por exemplo, segue uma mecânica um pouco diferente, mas que também considera o peso de impostos e custos.

Além disso, o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é válido para todas as famílias de investimentos e pode até zerar seus ganhos se você fizer uma aplicação e resolver resgatar em menos de 30 dias. Mas esse é um assunto para detalhar em um próximo post.

 

Espero que tenha gostado das informações! Se tiver alguma dúvida, não deixe de compartilhar aqui nos comentários.

Luciano Tavares

Luciano Tavares é fundador e CEO da Magnetis. Administrador de carteiras credenciado pela CVM e planejador financeiro CFP ®, tem mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro.

As opiniões expostas neste artigo são baseadas na visão do autor e não necessariamente refletem o entendimento do Yubb.